Loading...

O que é uma alimentação sustentável para o planeta?

15.10.2020 0

A 16 de Outubro comemora-se o dia Mundial da Alimentação. Para assinalar esta data vamos focar-nos num tema bem atual – a sustentabilidade. Quando falamos em sustentabilidade, associamos imediatamente a ações como não poluir, reciclagem, preservação de áreas naturais, economização de água, dar preferência às fontes alternativas de energia, etc., mas raramente lembramo-nos de relacionar com uma das atividades mais básicas: a alimentação.

A evolução da tecnologia permitiu ter mais alimentos à disposição que impulsionou o uso desmesurado dos recursos naturais, contudo os consumidores estão cada vez mais exigentes na qualidade dos produtos e preocupam-se cada vez mais com os impactos ambientais inerentes e é neste contexto que surge o conceito de alimentação sustentável, que aparece como uma possível solução para um maior equilíbrio entre a produção alimentar, saúde e proteção ambiental.

O que é uma alimentação sustentável?

Segundo a definição da Food and Agriculture Organization of the United Nations, é aquela que contribui para a segurança alimentar e nutricional da população e cujo impacto ambiental é diminuta. Há proteção e respeito pela biodiversidade e pelo ecossistema e permite a otimização dos recursos naturais e humanos. Para além disso, a nível nutricional é a mais adequada, segura, economicamente justa e está acessível a toda a população.

Reunimos algumas sugestões para ter uma alimentação sustentável:

  1. Consumir produtos sazonais e de produção local

Os alimentos da época têm uma contribuição positiva na promoção da economia local e, geralmente, estão disponíveis a um preço mais acessível. Apresentam características nutricionais e organoléticas (sabor, odor, cor) superiores, visto que não necessitam de tantos conservantes.

  1. Combater o desperdício alimentar

Planear antecipadamente as refeições diárias possibilita gerir de forma mais eficiente a alimentação do dia-a-dia, os recursos utilizados e o orçamento familiar:

  • Antes de ir ao supermercado, fazer uma lista prévia para que sejam só adquiridos os alimentos necessários;
  • Reduzir o desperdício na preparação e confeção dos alimentos bem como fazer um bom aproveitamento das sobras de outras refeições;
  • Dar atenção à validade dos produtos e à maneira de acondicionamento para evitar que os alimentos se estraguem com facilidade.
  1. Reduzir a utilização de embalagens de plástico

Reduzir a utilização de embalagens de plástico, optando por mais ecológicas como o papel ou de tecido e sempre que possível reutilizá-las.

  1. Preferir uma dieta mediterrânica

Esta dieta permite uma grande diversidade de alimentos locais e sazonais, diminuindo os custos energéticos, de tempo, de embalagens e de transporte inerentes à importação de alimentos e o desperdício alimentar.

  1. Optar por uma alimentação biológica

Os produtos biológicos são mais saborosos e mais amigos do ambiente.

  1. Consumir menos proteína animal

Apostar em refeições com produtos de origem vegetal, como as leguminosas (feijão, grão-de-bico…), será sempre uma opção mais sustentável. Por sua vez, as refeições que apenas incluem alimentos de origem animal têm maior impacto negativo sobre o ambiente e a saúde. Ambientais, porque produção de carne, principalmente de vaca, é a maior produtora de metano, um gás de efeito de estufa que resulta principalmente do processo de digestão de animais e da descomposição do estrume animal. Além disso, promove um consumo excessivo de recursos, poluição dos solos e lençóis de água. Também por questões de saúde, visto que o excesso de proteína animal, principalmente a carne vermelha, pode aumentar o risco de doenças cardiovasculares e alguns tipos de cancro.

Deste modo, é urgente todos estejamos consciencializados deste tema e comecemos a aplicar a cada dia, uma alimentação mais sustentável, optando por produtos locais, biológicos e de origem vegetal. Evitar escolher produtos processados, excessivamente embalados e evitar o desperdício alimentar. Assim, faz com que estejamos a ajudar não só a saúde, mas também a cuidar da saúde do planeta e das futuras gerações.

Nutricionista Mariana Mera Félix (2626N)

Referências Bibliográficas:

  1. FAO. The state of food and agriculture – world and regional reviews, sustainable development and natural resource management. FAO Agriculture series no. 22. Rome: Food and Agriculture Organization of the United Nations; 1989.
  2. Associação Portuguesa de Nutrição. Alimentar o futuro – uma reflexão sobre sustentabilidade alimentar. Disponível em: http://www.apn.org.pt/documentos/ebooks/E-BOOK_SUSTENTABILIDADE__.pdf
  3. MAJEM S. et al – Nutritional and cultural aspects of the Mediterranean diet. Int J VitamNutrRes., 2012.