INSCREVA-SE NOS GINÁSIOS SOLINCA​
Treine aqui. Ganhe ali.

GANHE 5€ POR SEMANA EM CARTÃO CONTINENTE SEM FIDELIZAÇÃO.

Saiba mais
NOVO SOLINCA LIGHT
SOLINCA ESTORIL

DESDE 2,99€ POR SEMANA + OFERTA INSCRIÇÃO

Saiba mais

INSCREVA-SE NOS GINÁSIOS SOLINCA

Treine aqui. Ganhe ali.

GANHE 5€ POR SEMANA EM CARTÃO CONTINENTE SEM FIDELIZAÇÃO.

solinca campanha continente selo 29082022

Mapa
de Aulas

Últimos artigos

Comecamos a Andar mas podemos Correr

Começamos a Andar mas podemos Correr….

A evidência científica apresenta dados convincentes dos benefícios da corrida para a saúde em geral, para a prevenção de doenças crônicas e mortalidade prematura, independentemente do gênero, idade, peso corporal e condições de saúde. Sendo uma atividade física de lazer muito popular e com um impacto significativo na longevidade. Em geral, os corredores têm um menor risco de mortalidade prematura (25% a 40%) e vivem aproximadamente 3 anos a mais do que os não corredores (Lee et al 2017). Uma prática regular e sistémica pode ser a solução, mas existem sempre riscos inerentes pois trata-se de uma atividade com um impacto relativo sobre todo o sistema músculo-esquelético. Embora não seja conclusivo, segundo Gessel & Harrast (2019) a corrida com cargas de treino baixas (horas/semana & intensidade) podem ser protetoras contra o desenvolvimento de osteoartrite (OA), mas cargas elevadas podem aumentar o risco de OA. Em geral, recomenda-se limitar o aumento do volume de treino, de 5% a 10%, por semana para evitar lesões (Lo et al 2017). Recomendações para treino de condicionamento físico, técnica de corrida e prevenção de lesões na corrida recreativa de resistência (Boullosa 2020): O fator mais importante que afeta a incidência de lesões é a quilometragem semanal Carga progressiva reduz a probabilidade de sofrer uma lesão Mais cautela para os corredores novatos, pois eles são mais propensos a sofrer lesões A técnica de corrida deve ser em termos de eficiência metabólica e  individualizada, evitando a procura de uma técnica de corrida ideal A frequência e o comprimento da passada ideal são normalmente uma escolha individualizada para uma determinada velocidade Programas de treino de força máxima e explosiva podem melhorar  o desempenho na corrida Programas de treino periodizados devem ter em consideração a distância (competição), a experiência e disponibilidade de tempo Monitorize seu progresso de treino com várias ferramentas válidas e confiáveis que avaliam cargas internas (ex: cardiofrequencímetro ) Sessões alternadas de treino intervalado de alta intensidade (>85% Frequência Cardíaca de Reserva) ou sprints com sessões de treino contínuo de intensidade baixa a moderada, que deve ser o foco principal, durante grande parte da semana (>75%) Complementar com 1-2 sessões de treino de força por semana com o objetivo de melhorar a força muscular e a economia de corrida Prescrição do treino.. Aquecimento: corrida a um ritmo suave por 5 a 10 minutos (nível 2 a 4 numa escala CR-10). Segmento principal: intensidade moderada (nível 5 ou 6) ou vigorosa (nível 7 ou 8). O total semanal deve ser 150–300 min (intensidade moderada) ou 75-150 min (intensidade vigorosa). Retorno à calma: corrida suave por 5 a 10 minutos e alongamentos no final. (Bushman 2018) Bibliografia Boullosa,D., Esteve,J., Casado,A.,Tartaruga,L., Rosa,R., Coso,J. (2020) Factors Affecting Training and Physical Performance in Recreational Endurance Runners. Sports 8, 35; doi:10.3390/sports8030035 Bushman,B. (2018) Developing the P (for Progression) in a FITT-VP Exercise Prescription. American College of Sports Medicine Gessel, T., Harrast,M. (2019) Running Dose and Risk of Developing Lower-Extremity Osteoarthritis. Training, prevention, and rehabilitation. Current Sports Medicine Reports. American College of Sports Medicine. Lee,D., Brellenthin,A., Thompson,P., Sui,W., Lee,I., Lavie,C. (2017) Running as a Key Lifestyle Medicine for Longevity. Progress in Cardiovascular diseases60, 45–55 Lo,G.,Driban,J.,Kriska,A. et al.( 2017) Is there an association between a history of running and symptomatic knee osteoarthritis? A cross-sectional study from the osteoarthritis initiative. Arthritis Care Res. 2017; 69:183–91.

Ler mais
legumes a bras

Legumes à Brás

Tem curiosidade em confecionar um prato vegetariano? Tome nota desta receita muito simples e rápida! Ingredientes para 2 pessoas: 100g de batata 1/2 colher de chá de sal 100g de alho francês 50g de cenoura 50g de courgette ½ cebola 1 dente alho 2 ovos 2 colheres de sopa de azeite Salsa qb 50g de azeitonas pretas Preparação: Para as batatas: Laminar as batatas em camadas fininhas e cortar em palitos; Numa tigela, adicionar água com o sal e demolhar as batatas por 10 min; Secar as batatas, adicionar 1 colher de sopa de azeite e misturar bem; Num tabuleiro, espalhar uniformemente as batatas e levar ao forno, pré aquecido a 220ºC, por 20 min até dourar. Durante este processo, mexer as batatas para o calor se distribuir por todas as partes. Preparação final: Cortar o alho-francês às rodelas, a cenoura em raspas e a courgette aos cubos; Levar os legumes a escaldar em água; Picar a cebola e o alho deixando refogar no azeite; Adicionar os legumes ao refogado, e deixar alourar em lume brando; Acrescentar a batata, envolvendo sempre; Bater os dois ovos, e misturar com o preparado anterior; Enfeitar com as azeitonas e a salsa, servindo de imediato. Informação nutricional (1 porção) Calorias (Kcal) 252 Gordura (g) 16,0       Saturada (g) 2,9 Hidratos de Carbono (g) 17,3         Açúcares (g) 5,0         Fibra (g) 5,1 Proteína (g) 10,1 Sal (g) 2,2 Nutricionista Solinca Classic Beatriz Costa (4898N)

Ler mais
Como comer bem fora de casa

Como comer bem fora de casa – no restaurante ou bar

Como comer bem fora de casa – no restaurante ou bar Agora que provavelmente regressou ao trabalho, existe toda uma readaptação pós-férias com refeições, escola dos filhos, etc. muitos vezes pode ser complicado voltar à rotina de planear as refeições para as suas marmitas, neste sentido por vezes o restaurante poderá ser uma escolha SOS. Não se alarme, pois apesar de tudo consegue fazer escolhas mais saudáveis mesmo no restaurante. Contudo sabemos que nem sempre a quantidade ou o tipo de refeições servidas são as mais adequadas e, por isso, existem formas de tornar a nossa refeição mais saudável. Reduzir as quantidades: Se o prato principal não lhe parecer o mais adequado, peça por exemplo, uma sopa e uma salada; Opte pelo menu infantil, caso exista, uma vez que neste são servidas doses menores; Divida em metade a quantidade do prato principal no restaurante e peça para levar a outra metade, assim poderá ter 2 refeições pelo preço de uma; Se almoçar com um amigo ou colega, divida a dose do prato principal, os aperitivos e até mesmo a sobremesa; Recuse o pão servido como entrada, uma vez que no tempo de espera pela refeição irá ingerir mais pão, sem se aperceber da quantidade. Preferir métodos de confeção saudáveis: Peça para o seu prato ser cozinhado de forma diferente se a proposta no menu não for a mais saudável (por exemplo pedir para grelhar o bife em vez de fritar ou pedir para reduzir a quantidade de sal no tempero); Se o prato tiver molhos, peça para estes serem servidos à parte, assim poderá optar por pouca quantidade ou por não os utilizar; Opte por substitutos, por exemplo salada, ou até arroz em vez de batatas fritas. Reduzir o valor calórico da refeição: Prefira pratos que sejam grelhados, cozidos ou ensopados em vez de fritos e assados com gordura; Não adicione molhos extra (ketchup, maionese, mostarda…) ao seu prato; Sempre que disponível peça sopa para iniciar a refeição e fruta da época para sobremesa; Coma devagar, de forma a mastigar bem os alimentos e perceber atempadamente quando está satisfeito. Se no seu caso for mais comum optar pelo bar, os snack-bares, cafés ou confeitarias são muitas vezes escolhidos pela rapidez do serviço e pelo facto de os alimentos servidos serem de prático consumo, nomeadamente as sandes. Como rapidez nem sempre é sinónimo de perfeição, as refeições servidas nestes estabelecimentos são muitas vezes desadequadas a nível nutricional. De seguida serão apresentadas algumas sugestões para tornar estas refeições mais saudáveis. Ao pedir sandes: Prefira a sua sandes sem molhos; Peça para a sandes incluir hortícolas como alface, tomate, cenoura, couve-roxa ou mesmo frutas; Opte por não barrar o pão com manteiga ou maionese; Alterne o tipo de pão (pão de mistura, integral ou de cereais); Se existirem menus, escolha salada, sopa ou fruta em substituição das batatas fritas; Escolha, por exemplo, queijo fresco, frango grelhado, carne assada, ovo cozido, queijo magro ou fiambre de aves para o recheio da sua sandes. Reduzir o valor calórico da refeição: Não se deixe tentar por todos os salgadinhos, chocolates, doces e snacks calóricos e sem interesse nutricional; Se o bar que costuma frequentar não tem fruta fresca disponível, leve uma peça de fruta de casa e assim terá uma opção saudável e económica para a sobremesa; Pode sugerir à gerência do bar que disponibilize opções mais saudáveis e nutritivas. Serviço de nutrição Solinca

Ler mais