Loading...

A ciência por detrás da música e exercício

23.06.2020 0

Alguma vez tentou fazer uma faixa de agachamento sem música? Acha que seria mais difícil do que o normal? Iria gostar da experiência? Na Les Mills é reconhecida a importância da música por detrás do treino. A música tem a habilidade de nos fazer sentir bem; faz-nos mexer. Leva-nos a saltar mais alto, treinar mais forte e dançar com mais liberdade. Sabemos que a música é essencial para ter uma grande experiência de treino. Vamos olhar um pouco para a ciência por detrás da combinação da música com o movimento…

Estudos descobriram que a música aumenta a resposta ao treino; reduz a perceção subjetiva de esforço de intensidade baixa a moderada, aumenta a eficiência metabólica, melhora a disposição e encoraja o movimento rítmico.

Parece que a música diminui a nossa perceção subjetiva de esforço durante a intensidade de exercício leve a moderada. Na presença de música motivadora, acabamos por nos distrair do treino intenso que estamos na realidade a fazer. Isto pode ter a ver com o facto da música causar um estímulo no nosso cérebro e, por isso, distrair-nos do desconforto do treino. É como quando batemos com o cotovelo e respondemos esfregando para aliviar a dor. O movimento de esfregar bloqueia um pouco a sensação de dor porque o cérebro tem de processar tanto o esfregar como a dor. No entanto, este efeito positivo na perceção subjetiva de esforço diminui quando o exercício atinge uma intensidade mais elevada. Quando o corpo se depara com desafios mais intensos, a música deixa de conseguir distrair os praticantes do desconforto físico. As boas notícias são que, se a música não consegue mudar a perceção da fadiga, ela consegue fazer com que as pessoas se sintam mais positivas, ou seja, com mais vontade de se comprometerem com o exercício ou rotina.

Em relação à melhoria da eficiência metabólica, um estudo de 2012, demonstrou que ciclistas que pedalam com a música requerem menos 7% de oxigénio para completarem o mesmo treino que ciclistas requerem ao pedalarem em silêncio.

Devemos nos questionar como é que a música cria estes estados emocionais e fisiológicos. Existem 4 aspetos importantes como o ritmo ou batida da música, a musicalidade (cadência e harmonia), o impacto cultural (significado da música na nossa sociedade) e as associações com a música (todos nós vivenciamos o efeito do tema rocky ou chariots of fire).

E agora? Os efeitos energizantes da música no que sentimos significa que ela pode influenciar positivamente o nosso comportamento com o treino, assim como a nossa habilidade para o exercício. Logo, influencia diretamente a frequência das suas idas ao ginásio. Desta forma, ficamos em forma e mantemos nos em forma!

E então? Juntamos o melhor dos dois mundos? Ouvir música e ficar saudável, que vos parece? Partilhem, com os instrutores responsáveis pelas aulas de grupo que frequentam, a vossa preferência musical para que possamos adaptar a aula aos vossos gostos.    

Boas aulas de grupo!