Loading...

AS FAMOSAS DORES DE COSTAS

28.07.2020 0

Os Clubes Solinca, para além de serem uma cadeia de ginásios que têm como grande objetivo ajudar os seus clientes a encontrarem a sua desejada forma física, dispõem também de profissionais extremamente qualificados que os ajudarão noutras vertentes da saúde, tais como, nas famosas dores nas costas. É verdade! Sejam elas devido a uma má postura nos exercícios efetuados ou até mesmo aquelas dores de cariz psicológico, que derivam do stress e que por sua vez influenciará no aumento de tensão muscular, aumentando a força de compressão na coluna vertebral. Sendo assim, na nossa cadeia de ginásios irá encontrar profissionais que o ajudarão a tomar as melhores decisões no que toca à prescrição de exercício físico e ao acompanhamento personalizado. Neste caso, com o objetivo de melhorar e reforçar toda a musculatura das costas, de forma a reduzir ou eliminar todo o desconforto que provém destas patologias. Deixamos então, uma explicação mais aprofundada destas patologias de modo a que consigam perceber a importância de serem seguidos por profissionais.

Existem dois tipos de pessoas: as que têm dores nas costas e… as que vão ter dores nas costas! Segundo a OMS: A maioria dos episódios de dor na coluna vertebral são agudos e transitórios, no entanto: 90% destas pessoas apresentam recaídas cada vez mais severas. A taxa de recorrência é alta e cerca de 20% desenvolvem um problema crónico que pode levar à incapacidade (Weiner & Nordin, 2010). Assim, a prescrição de exercício físico é contraindicada durante a primeira semana em todos os casos de dor aguda na região lombar. A contraindicação refere-se em particular ao exercício dinâmico (Abenhaim et al., 2000). Recomenda-se no entanto exercício físico (mobilidade/estabilidade e força).

Contudo, 80% das lombalgias são de origem mecânica. Uma grande percentagem deve-se a razões psicossociais (stresse e depressão). O stresse aumenta a tensão muscular, aumentando assim a força de compressão na coluna vertebral que aumenta a compressão dos discos intervertebrais, existindo assim uma menor vascularização dando o resultado de uma mecânica deficiente. Deste modo, as evidências demonstram que o tratamento ativo é mais eficaz na melhoria da “função” e retorno ao trabalho (Weiner & Nordin, 2010).

A generalidade dos indivíduos com sintomatologia álgica ao nível lombar e/ou cervical apresentam: mobilidade reduzida e proteção muscular deficiente e desequilibrada. Assim, o exercício físico bem orientado e bem executado, é um forte aliado no processo de reabilitação de pessoas com problemas de coluna, promovendo a melhoria das diferentes aptidões físicas e, consequentemente, da sua capacidade funcional.

A Hérnia Discal é decorrente de uma projeção da parte central do disco intervertebral para além dos seus limites normais. Isto ocorre em geral, póstero-lateralmente, em virtude da falta de ligamentos que sustentem o disco nessa região (Yabuki S. 1999). A sua formação poderá surgir de pontos frágeis de nascença, em movimentos súbitos de rotação do tronco, como no transportar ou no pegar em cargas exageradas, ou até mesmo conjugados com outros fatores, como uma musculatura insuficiente, permanência prolongada em certas posições e até o hábito de fumar. Assim, numa fase aguda recorrendo à medicação e, posteriormente ao fortalecimento e mobilização dos músculos que sustentam e protegem a coluna, de modo a proporcionar maior estabilidade e suporte ao eixo vertebral. Por isso, é fundamental utilizar, sempre que possível, exercícios que provoquem menor carga axial sobre a coluna, nomeadamente exercícios em decúbito dorsal e em pé com as costas apoiadas.

As últimas investigações sugerem que um correto estímulo sobre o disco intervertebral ajudará a manter e regenerar as suas propriedades. Deste modo, os estímulos do tipo mecânico, como os gerados pelo exercício, aumentam a concentração dos proteoglicanos nos discos intervertebrais favorecendo a regeneração discal.

A consciência de que quanto mais neutra estiver a posição da coluna vertebral, menor é a carga axial, é essencial para percebermos que a postura com que realizamos os exercícios é determinante para a proteção de todo o eixo vertebral. Devem assim, evitar exercícios com a flexão e hiperextensão do tronco, exercícios como o press de ombro, de modo a não acentuar o desgaste dos discos intervertebrais e diminuir ao máximo exercícios com carga axial (lunge e agachamento com barra nas costas).

Os discos intervertebrais são hidratados quando a compressão é reduzida. Deste modo, os alongamentos que favorecem a tração da coluna, poderão ser igualmente importantes.

Sendo assim, conte connosco para o orientar e ajudar na prescrição dos exercícios mais adequados para si, com o objetivo de melhorar e reforçar toda a musculatura das costas, de forma a reduzir ou eliminar todo o desconforto proveniente dessas patologias.

Bons Treinos!