Loading...

Fome Emocional

17.03.2021 0

Todos nós já sentimos a vontade de comer um chocolate, um bolo ou umas batatas fritas porque o dia nos correu mal, ou andamos ansiosos ou stressados. Ou, por outro lado, querer jantar uma pizza ou sushi porque o dia correu excecionalmente bem e queremos ir festejar. Comer em resposta a emoções positivas tem sido tão descrito em estudos como o comer em resposta a emoções negativas, e esta situação pode ser um fator explicativo para o aumento de peso de muitas pessoas.

A Fome Emocional é exatamente descrita como comer em resposta a emoções negativas ou a situações de stress, e perante esta situação que estamos a viver, é uma situação espectável de acontecer em muitos lares portugueses. Estamos fechados em casa em isolamento, ou para as pessoas que não têm essa possibilidade, a sair de casa para trabalhar num ambiente de grande stress, não sabemos o que vai acontecer nem quando vai terminar este período, estamos preocupados com familiares e amigos e passamos o dia num enorme estado de ansiedade. Isto pode levar-nos a comer em resposta às emoções inerentes a esta situação e, nem sempre, fazermos as melhores escolhas.

No entanto, este período irá terminar, por isso temos de nos focar neste ponto e lembrarmo-nos que temos um objetivo pelo qual provavelmente temos vindo a trabalhar durante os últimos meses ou anos e não podemos deitar tudo a perder nesta fase.

Assim, em primeiro lugar é importante perceber o que é a fome.

A fome é descrita como a ânsia ou a necessidade urgente de comida. Vários estudos demonstram que a sensação da fome é promovida por mecanismos homeostáticos e cognitivos mediados pela hormona grelina (também conhecida pela hormona da fome), sendo que, a sensação da fome surge quando, após uma privação de nutrientes, há um aumento plasmático da hormona grelina.

É também importante percebermos que a ingestão alimentar provoca uma sensação de prazer, resultado de processos bioquímicos que decorrem no nosso corpo, mais propriamente pela libertação da dopamina. A dopamina tem vindo a ser estudada pela sua relação com os estados de adição, incluindo a adição alimentar (principalmente por alimentos ricos em açúcar e gordura).

A dopamina é um elemento central na estimulação do sistema de recompensas, sendo capaz de eliminar a sensação de saciedade (provocada pelos processos homeostáticos descritos acima).

Desta forma, conseguimos perceber o porque de usarmos a comida como compensação nos momentos em que estamos mais ansiosos ou tristes.

Isto significa que, quando sentir aquela “vontade de comer” ao longo do dia tem de fazer uma pausa e analisar bem o que está a sentir. Quando foi a última vez que comeu? É mesmo fome o que está a sentir? Ou estará a tentar compensar algo?

Não se esqueça que estamos num momento de maior stress e ansiedade e podemos estar a simplesmente a procurar na alimentação, um ato de conforto, à procura de um momento de “felicidade”. No entanto, esta é uma sensação passageira, o problema vai continuar e pode ter acabado de sabotar o seu objetivo.

Desta forma, ficam algumas sugestões para tentar evitar esta fome emocional que está a sentir:

  • Quando for comer, faça uma pequena pausa para perceber se sente mesmo fome ou se apenas está à procura daquela felicidade momentânea;
  • Caso perceba que não tem fome mas sim “vontade de comer”, experimente fazer um chá ou infusão para o acompanhar enquanto está a trabalhar;
  • Faça pequenas refeições várias vezes ao dia de modo a evitar passar longos períodos de tempo sem comer e espere pelo próximo lanche. Não ceda ao “petiscar” ao longo do dia;
  • Faça refeições principais e lanches que lhe agradem de modo a sentir-se saciado e feliz com a sua alimentação;
  • Faça um diário alimentar, mas seja sincero no mesmo! Às vezes nem nos apercebemos das “asneiras” que fazemos de forma diária;
  • Lembre-se que esta situação vai passar e arranje atividades diárias que possa fazer em casa para aliviar a ansiedade que está a sentir: ler um livro, treinar, meditar… Faça uma outra catividade que não seja ir comer sem fome.

Mantenha-se saudável, vai ajudar a aliviar o stress deste período!

Serviço de Nutrição Solinca

Bibliografia

Brain Res. 2018 Aug 15;1693(Pt B):154-158. doi: 10.1016/j.brainres.2018.01.024. Epub 2018 Jan 31.

Acta Physiol (Oxf). 2017 Sep;221(1):3-5. doi: 10.1111/apha.12917. Epub 2017 Aug 3.

Appetite. 2013 Jul;66:20-5. doi: 10.1016/j.appet.2013.02.016. Epub 2013 Mar 5.

Volkow, N., Wise, R. & Baler, R. The dopamine motive system: implications for drug and food addiction. Nat Rev Neurosci 18, 741–752 (2017). https://doi.org/10.1038/nrn.2017.130