Loading...

Maio, mês do coração, cuide bem dele!

27.05.2019 0

 

Maio é o mês do coração, mês em que assinalamos sobretudo a prevenção das doenças cardiovasculares. É importante notarmos que atualmente (e nos últimos anos) as doenças cardiovasculares representam a primeira causa de morte em Portugal, seguido de tumores malignos. Referimo-nos a doenças do aparelho circulatório como o AVC, doença isquémica do coração e enfarte agudo do miocárdio. Segundo dados do INE (2017) representaram 29,4% da mortalidade.

Os principais fatores de risco cardiovascular (preveníeis) são:

  • Obesidade
  • Diabetes
  • Sedentarismo
  • Hipertensão
  • Dislipidemia
  • Tabagismo
  • Stress

Contudo muito pode ser feito, apenas está nas suas mãos. Os fatores chave na prevenção/diminuição do risco cardiovascular são:

  • Peso adequado
  • Alimentação equilibrada
  • Prática de exercício físico regular
  • Boa pressão arterial (Sistólica até 120 mmHg; Diastólica até 80 mmHg)
  • Valores lipídicos sanguíneos equilibrados (colesterol, triglicerídeos…)
  • Não fumar
  • Controlar stress

Controlar o peso é fundamental, se bem que quando nos referimos a peso, queremos referir-nos a gordura corporal, pois o seu excesso é um fator de risco determinante, aumentando o risco de diabetes, hipertensão arterial, dislipidemias e doenças cardiovasculares. Portanto, todos estes fatores estão completamente inter-relacionados. A consulta de um nutricionista será sempre um passo fundamental para poder controlar a sua composição corporal e principais fatores de risco.

Relativamente à alimentação devem de todo evitar-se:

  • Gorduras do tipo saturadas e trans, pois podem ajudar a aumentar o nível de colesterol no sangue. Provenientes de carnes gordas, produtos de charcutaria, lacticínios gordos, produtos de pastelaria e confeitaria, como bolos, biscoitos, bolachas margarinas e snacks fritos processados (de pacote).
  • Alimentos salgados (rico em cloreto de sódio). Não só o sal de adição deve ser alvo de atenção, mas também o sal usado em alimentos processados como produtos de charcutaria, enlatados, refeições pré-cozinhados, batatas fritas e outros aperitivos embalados, bolachas, bolos, cereais de pequeno-almoço e até mesmo o pão. Vários são os alimentos que contêm sal “escondido” para intensificar o sabor. A OMS recomenda no máximo 5g/dia. Dados recentes (Fev. 2018) de um estudo Português em 1500 pessoas com 65 ou mais anos publicado na revista Food & Nutrition Research, estima que os idosos ingerem entre 20 a 27g/dia, o quadruplo ou mais das recomendações.
  • Produtos açucarados, pois tendem a aumentar os triglicerídeos, induzir picos glicémicos que se traduzem num aumento do estímulo de produção de gordura corporal.
  • Bebidas alcoólicas podem ajudar a aumentar a pressão arterial e a elevar o peso. Embora nos últimos anos ouçamos falar que o consumo de 2 pequenos copos/dia de vinho (tinto) para os homens, ou de 1 para as mulheres possa ajudar a proteger das doenças cardiovasculares. Contudo é importante percebermos que estas recomendações podem ser interessantes quando aplicadas a pessoas saudáveis, e não pessoas já com vários fatores de risco, pois neste último caso seriam maiores os prejuízos que os benefícios. Os benefícios estão ligados ao teor em polifenóis do vinho tinto (resveratrol e procianidinas), polifenóis esses que também encontramos nas próprias uvas tintas por exemplo, onde não temos etanol (álcool).

No que diz respeito a uma alimentação saudável, equilibrada e variada, devem-se privilegiar:

  • Alternativas ao sal – ervas aromáticas (de preferência frescas) e especiarias, ou salicórnia, ou sal dos Himalaias.
  • Frutas e hortícolas diários – ricos em fibras, vitaminas e minerais (idealmente cerca de 5 porções por dia.
  • Leguminosas (ex feijão, lentilhas) – fontes de fibra, potássio e outros micronutrientes
  • Trocar os cereais e derivados de cereais refinados por versões integrais e minimamente processados (ex aveia)
  • Preferir o peixe em geral à carne, sobretudo peixes gordos como cavala, sardinha – fontes de ómega 3
  • Preferir carnes mais magras como as brancas e sempre retirando a pele e toda a gordura visível
  • Preferir lacticínios magros
  • Incluir na alimentação fontes de gorduras insaturadas como sementes, frutos oleaginosos (ex nozes) e abacate
  • Preferir o azeite a óleos vegetais, a banha ou a manteiga

Experimente a seguinte receita para proteger o seu coração:

Pimentos recheados com quinoa:

Ingredientes:

  • 4 pimentos médios (ou tomates, courgetes ou beringelas)
  • 2 chávenas de água
  • 1 chávena de quinoa
  • 2 colheres de chá de azeite
  • 4 chávenas de folhas de espinafre
  • 70g de cogumelos frescos laminados
  • 3 dentes de alho esmagados
  • 3 colheres de sopa de sementes de chia
  • 1 raminho de folhas de manjericão fresco
  • 1 embalagem de bolinhas de mozarela light ou ½ chávena de queijo fresco light
  • Pimenta a gosto

Preparação:

  1. Pré-aqueça o forno a 200ºC.
  2. Lave os pimentos e corte a sua extremidade, formando uma espécie de tampa. Retire as sementes do seu interior. Polvilhe com pimenta e coloque os pimentos num tabuleiro.
  3. Cozinhe a quinoa com 2 chávenas de água por 15 minutos.
  4. Numa frigideira coloque uma pequena dose de água, adicione o alho, os cogumelos, os espinafres, o manjericão e o azeite.
  5. Numa taça grande misturar a quinoa com o queijo e as sementes de chia. Adicione pimenta a gosto e junte o preparado anterior.
  6. Divida uniformemente e recheie os pimentos com o preparado. Tape com papel vegetal e leve ao forno por cerca de 20 minutos.
  7. Verifique se os pimentos estão macios e estará pronto a servir. Pode reforçar a dose de proteína e ómega 3, acompanhando com um peixe assado no forno (ex cavala).

Interesse nutricional: receita com fontes de proteínas magras e hidratos de carbono complexos, boa fonte de fibra, antioxidantes e potássio, gorduras insaturadas e isenta/baixa dose de sal.