Solinca

Blog

Últimos artigos

kombu

K de Kombu

As algas são uma espécie de “vegetais do mar” exploradas há séculos como alimento, e que atualmente devido à globalização da gastronomia Asiática e há sua riqueza nutricional, principalmente no que toca a minerais, se tornaram populares. Portugal apesar de ser um país com uma zona costeira extensa, ainda não tem muito o hábito de consumo de algas, porém na zona do Minho a sua apanha é comum para utilizar como fertilizante na agricultura. Existem variadíssimas espécies de algas que são utilizadas na alimentação, mas centremo-nos na “Kombu”, nome comercial que designa a espécie Laminaria digitate, ou “Kombu” doce / “Kombu” real que designa a espécie Laminaria saccharina. A alga Kombu apesar de ser nativa dos mares do Japão, sendo cultivada na Coreia e na China, está também presente no Atlântico Norte, desde a Noruega até ao Norte de Portugal (Viana do Castelo). Apresenta uma consistência carnosa, sendo utilizada na cozinha para conferir sabor, “amaciar”, evitar a flatulência (associada ao consumo de leguminosas, por exemplo) e aumentar a digestibilidade, devido à presença de ácido glutâmico (ou glutamato). Usa-se também na confeção de pães e hambúrgueres vegetais, em forma de farinha. Os caldos onde se cozinhou o “Kombu” (os designados “dashi”) são a base de muito pratos japoneses tradicionais e com eles podem-se cozinhar massas, cereais, etc. O “Kombu” destaca-se pelo seu elevado conteúdo em minerais como: O cálcio e o magnésio, que regulam funções do sistema nervoso e dos músculos; O iodo, com um papel fundamental no funcionamento da tiroide. O ácido algínico presente na “Kombu” tem demonstrado efeitos preventivos contra a contaminação por metais pesados e substâncias radioativas. São de destacar ainda as suas propriedades antirreumáticas, anti-inflamatórias, reguladoras do peso corporal e da pressão arterial (devido à presença de laminarina e laminina). Estas previnem também a arteriosclerose e outros problemas vasculares, pelos seus efeitos fluidificantes da corrente sanguínea. Serviço de Nutrição Solinca Bibliografia Botânica, L. P.-D. (2008). As Algas Marinhas e Respectivas Utilidades. Coimbra: Universidade de Coimbra. Pires, C. R. (2016, 7 2020). Identificação e Análise do Potencial Antifúngico dos Polissacarídeos das Algas Saccharina latissima e Laminaria ochroleuca. Coimbra: FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA – Universidade coimbra. Retrieved from https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/31319/1/cp_thesis.pdf Varatojo, F. (2020, Julho 9). Instituto Macrobiótico de Portugal. Retrieved from https://www.institutomacrobiotico.com/pt-pt/imp/artigos/alimentacao/algas

Ler mais
Influencia da Meditacao na reducao da Ansiedade

Influência da Meditação na redução da Ansiedade

Com a agitação social que vivemos nos nossos tempos, poderemos começar a sentir a sentir ansiedade, um estado psicológico que tem início no nosso sistema nervoso central e pode resultar em sintomas físicos variados. Uma das formas de contrariar esse estado é a meditação. Mas afinal o que é a meditação? É uma prática de integração mente-corpo baseada na vivência do momento presente através de várias técnicas de relaxamento muscular e exercícios de respiração que nos permitem acalmar a mente. Uma sessão de meditação pode ter diferentes durações, no entanto, para quem está a iniciar deverá durar entre 15 a 20 minutos. A nível de material apenas precisamos de um colchão, além disso, deveremos escolher um espaço com um ambiente acolhedor e utilizar músicas de relaxamento. Podemos optar pela meditação guiada ou pela Auto meditação. Uma das formas de contrariar esse estado é a meditação. Mas afinal o que é a meditação? É uma prática de integração mente-corpo baseada na vivência do momento presente através de várias técnicas de relaxamento muscular e exercícios de respiração que nos permitem acalmar a mente. As técnicas de relaxamento, nas quais se insere a meditação podem-se dividir em dois grupos: A nível cognitivo Meditação Relaxamento visual c/ manipulação Mindfulness Auto – Hipnose A nível somático Relaxamento muscular progressivo Exercícios respiratórios Na prática da meditação as práticas mais usadas as de nível somático. Relaxamento muscular progressivo Baseia-se na passagem consciente e propositada da fase de contração muscular a fase de relaxamento. O seu objetivo é diferenciar o estado de tensão e de relaxamento muscular. Começamos normalmente pelos membros inferiores, passando aos membros superiores, tronco e por fim cabeça. Respiração De todas as funções automáticas do corpo, apenas a respiração pode ser controlada de forma voluntária. Os benefícios de uma boa respiração são múltiplos: ao inspirar e expirar de forma completa, utilizando a maior parte dos pulmões, oxigenamos melhor todo o corpo através do sangue, conseguindo assim uma melhor distribuição a todas as partes do organismo. Ao expulsar o ar viciado das zonas mais profundas dos pulmões, estamos a eliminar toxinas e gases nocivos. A respiração pulmonar é apenas a respiração externa do corpo; a respiração interna dá-se quando cada célula recebe o oxigénio transportado pela corrente sanguínea e expele o dióxido de carbono (CO2), que é levado aos pulmões pelo sangue, para ser eliminado. A massagem abdominal exercida pelo diafragma ao subir e descer ajuda cada órgão a desempenhar melhor as suas funções. A nível psicológico, esta respiração mais profunda tem uma função de alívio de stress, não só porque o cérebro recebe uma maior quantidade de oxigénio, mas também porque, ao respirar mais controladamente e em profundidade a nossa mente e o nosso corpo trabalham simultaneamente com maior calma e energia (Rodríguez, 2006) Para quem nunca experimentou ficam aqui os benefícios da meditação: Treinar a atenção, fortalecer o poder de concentração e memória; melhorar o rendimento de tarefas; obter paz e equilíbrio interior; resolver problemas de forma serena, amorosa e sábia, recuperação rápida de situações de tensão; proporcionar ao corpo um repouso profundo, com mente alerta; melhorar o funcionamento de sistema imunitário; aumentar a capacidade de se relacionar com empatia; despertar plena consciência (equilíbrio de pensamentos e sensações), entre outros. Como é de conhecimento geral o nosso estilo de vida é cada vez mais sedentário e stressante, quer devido ao uso excessivo das tecnologias quer devido ao ritmo de trabalho que as exigências da atualidade implicam. Por isso, é cada vez mais importante tirarmos uns minutos do nosso dia para fazermos um ‘’reset’’ com a meditação. Fitness Instructor, Sofia Ramos Referências bibliográficas – Bahut, L. e Rodrigo, M. Manual de S-Mind.  SC Fitness, 2019 – Rodríguez, J. Pilates. Plátano Editora, 2006 p. 21.

Ler mais
jardineira

J de JARDINEIRA

  Apesar de geograficamente estarmos confinados a um “pequeno cantinho” do mundo, a cozinha tradicional portuguesa é extremamente rica. É uma cozinha bastante influenciada pela nossa história que esteve sempre muito ligada às descobertas, não podendo esquecer o inegável impacto dos muitos povos que por cá passaram, e que fizeram da nossa gastronomia uma das mais variadas do mundo. A cozinha portuguesa inserida na gastronomia do Mediterrânico, é uma cozinha simples e tem por base os preparados de panela como as jardineiras, os estufados, as caldeiradas, as sopas, as cataplanas e ainda os arrozes e os grelhados. Pela presença de água, do azeite e da água de cozedura dos alimentos, estas formas de confeção, preservam as qualidades nutricionais dos alimentos. A jardineira portuguesa é um prato tradicional composto por carne de vaca, chouriço, batata, cenoura e ervilhas ou feijão verde, sendo ainda acompanhado de arroz branco. Assim numa primeira vista parece-nos um prato saudável, ainda mais porque a sua confeção é bastante simples e engloba essencialmente estufar a carne e os legumes em cebola, azeite, alho, tomate e vinho, apenas se desejar. Porém não podemos descurar que o teor de gordura saturada e sódio presente nos tipos de carnes utilizadas, assim como um consumo que pode ser excessivo no que aos hidratos de carbono diz respeito, podem em algumas circunstâncias ser menos benéficos para a saúde. Assim sendo e para que todos possam degustar a notável gastronomia portuguesa, embora que por vezes com um toque de “modernidade”, deixamos-lhe uma sugestão de uma jardineira saudável na receita de Maio! Serviço de Nutrição Solinca Bibliography INSA. (2020, Julho 9). Portfir. Retrieved from http://portfir.insa.pt/foodcomp/search PNPAS. (2020, Julho 8). Nutrimento. Retrieved from Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável: https://alimentacaosaudavel.dgs.pt/dieta-mediterranica/

Ler mais